sexta-feira, 29 de junho de 2007

Ato em Araraquara: Contra as punições!

Após a ocupação da reitoria da USP e todo o levante nacional que presenciamos, o Movimento Estudantil, mais forte e atuante, reafirma seu papel de agente social em busca de uma educação de qualidade e para todos. Agora para podermos continuar construindo nossas lutas precisamos garantir que não haja perseguição política aos militantes, fato que tem sido realizado com o apoio do aparato policial, expediente não democrático para negociações.

A criminalização do Movimento Estudantil, um movimento que luta pelo ensino público e para que esse seja de qualidade e para o povo oprimido, é inaceitável! Se hoje ainda temos certa qualidade nas Universidades públicas, se temos a tão falada autonomia etc., é porque houve luta no passado. Houveram greves e ocupações por toda a história, os direitos trabalhistas (apesar de ainda poucos e seriamente ameaçados) foram conquistados a partir de mobilizações, nas quais a greve foi e continua sendo um importante mecanismo.

As ocupações deste início de ano apenas reforçam o caráter combativo do nosso movimento e as inúmeras assembléias, sempre quebrando recordes históricos na quantidade de participantes, reforçam a legitimidade dessa luta por mais democracia. As estruturas de poder dentro das universidades remontam à ditadura militar e fatos como o ocorrido em Araraquara exemplificam isso.De maneira absurda um exagerado número de policiais treinados e equipados para situações extremas invadiu o campus da Unesp de Araraquara e prendeu estudantes que defendiam um direito do povo.

O movimento se propõe à negociação. Os estudantes se dispõem ao dialogo com aqueles que se apresentam com armas nas mãos e desqualificam a luta democrática. É fundamental que não nos intimidemos pelas ações das autoridades para que a nossa mobilização pela real autonomia se construa por meio da liberdade de expressão.

Hoje deve ser um dia em defesa da liberdade. Não da liberdade para consumir, mas da liberdade para defendermos a educação pública, que já é um direito!! A repressão policial e a intransigência em negociar, insistindo em punir participantes do Movimento Estudantil de maneiras incoerentes com a proposta de discussão que caracteriza o ambiente universitário, são inaceitáveis!

Os estudantes do estado todo estão unidos: aqui presentes UNESP, UNICAMP e USP!
Todo apoio aos estudantes de Araraquara!

Nas praças, nas ruas, quem disse que sumiu? Aqui está presente o Movimento Estudantil!

*Panfleto do Ato de 28 de junho, em Araraquara.

5 comentários:

ghost in the machine disse...

"Houveram greves e ocupações por toda a história"... HOUVERAM???
Não basta desrespeitar a lei: a língua portuguesa precisa também ser 'invadida'.

Laura disse...

Engraçado: a greve começou contra os decretos do Serra, ganhou inúmeras pautas ao longo do "movimento" e agora os atos são ""contra as punições"... Alguém esqueceu mesmo o assunto que deu origem a tudo isso, né? Movimento estudantil de responsabilidade deve ARCAR com as consequencias dos atos, gente! Vamos acabar com a covardia e assumir! Que venham as punições!!! Elas fortificam o movimento!!!

Anônimo disse...

vamos fazer uma greve para defender o direito de fazer greves sem punição...

FM disse...

Frase do dia
Quão pouco custa construir castelos no ar! e quão custosa é a sua destruição!

François Mauriac

Anônimo disse...

Movimento de escolas para todos?

Como se podem achar alguns que estao atuando em prol da classe oprimida quando se e conhecido que os que frequentam as faculdades publicas sao de fato classe B para cima .

Como pode se dizer "em bem de todos" quando que os que la estao aproveitando nao chegam a 1% da populacao brasileira .

Se eu roubo 1 manteiga no mercado vou preso, como voces podem querer absolvicao ? De fato devem ser alguma forma superior de cidadao da qual eu desconheco .